Como criar uma instância do Cloud Bigtable

Uma instância do Cloud Bigtable é um contêiner de até quatro clusters do Cloud Bigtable. Instâncias que usam replicação têm dois ou mais clusters e instâncias sem replicação têm apenas um.

Nesta página, você verá como criar uma instância com ou sem replicação. Antes de ler esta página, familiarize-se com a visão geral do Cloud Bigtable. Você também precisa ler a visão geral de instâncias, clusters e nodes.

Antes de começar

Antes de começar, você precisará preparar o ambiente e fazer um planejamento inicial:

  1. Ative as APIs do Cloud Bigtable:

    1. Selecione ou crie um projeto do GCP.

      Acessar a página Gerenciar recursos

    2. Verifique se o faturamento foi ativado para o projeto.

      Saiba como ativar o faturamento

    3. Ativar Cloud Bigtable and Cloud Bigtable Admin APIs.

      Ativar as APIs

  2. Se quiser usar as ferramentas de linha de comando para o Cloud Bigtable, instale o SDK do Cloud e a ferramenta cbt, caso ainda não o tenha feito.

  3. Caso pretenda ativar a replicação, reserve alguns minutos para ler a página respectiva.

    Identifique o caso de uso para replicação, escolha uma região para a instância que ofereça o Cloud Bigtable em pelo menos duas zonas e decida como você usará os perfis de aplicativo para encaminhar as solicitações de entrada.

Como criar uma instância

Para criar uma instância do Cloud Bigtable:

Console

  1. Abra a página "Criar instância" no console do GCP.

    Abrir a página "Criar instância"

    Captura de tela da página "Criar instância"

  2. Digite um nome para a instância.

    O console do GCP exibe esse nome para identificar a instância.

  3. Digite o código de uma instância.

    O código da instância é um identificador permanente da instância.

  4. Selecione o tipo de instância a ser criada.

    Para desenvolvimento e teste, use uma instância em desenvolvimento, que tem desempenho limitado e nenhum SLA. Será possível fazer upgrade para uma instância de produção depois. Saiba mais.

    Para outras finalidades, use uma instância de produção. Essa opção é permanente. Saiba mais.

  5. Digite o código do primeiro cluster.

    O código é um identificador permanente do cluster.

  6. Escolha a região e a zona em que será executado o primeiro cluster.

    Caso planeje usar a replicação em uma única região, verifique se o Cloud Bigtable está disponível em pelo menos uma outra zona nessa região. Veja a lista de zonas.

  7. Escolha o número de nodes do Cloud Bigtable do primeiro cluster. Caso não tenha certeza de quantos nodes são necessários, use o padrão. Será possível adicionar mais nodes depois. Saiba mais.

  8. Para ativar a replicação agora, clique em Adicionar cluster e atualize as configurações do segundo cluster. Também é possível ativar a replicação depois adicionando um cluster.

    Os clusters de uma instância precisam estar em zonas exclusivas. É possível criar um cluster adicional em qualquer zona em que o Cloud Bigtable esteja disponível. Caso o botão Adicionar cluster esteja desativado, altere a zona do primeiro cluster.

  9. Escolha se é necessário usar um disco SSD ou HDD nos clusters. Na maioria dos casos, SSD é o melhor. Essa opção é permanente. Saiba mais.

    O console do GCP mostra como o tipo de disco e o número de nodes afetam a capacidade e o custo.

  10. Clique em Criar para criar a instância.

  11. Em seguida, revise as configurações de replicação no perfil de aplicativo padrão para verificar se elas se aplicam ao caso de uso de replicação. Talvez seja necessário atualizar o perfil de aplicativo padrão ou criar perfis personalizados.

gcloud

  1. Comece criando uma instância com um único cluster. Use o comando bigtable instances create para criar uma instância:

    gcloud bigtable instances create INSTANCE_ID \
        --cluster=CLUSTER_ID \
        --cluster-zone=CLUSTER_ZONE \
        --display-name=DISPLAY_NAME \
        [--cluster-num-nodes=CLUSTER_NUM_NODES] \
        [--cluster-storage-type=CLUSTER_STORAGE_TYPE] \
        [--instance-type=INSTANCE_TYPE]
    

    Forneça os valores a seguir:

    • INSTANCE_ID: identificador permanente da instância.
    • CLUSTER_ID: identificador permanente do cluster.
    • CLUSTER_ZONE: a zona em que o cluster é executado.

      Caso planeje usar a replicação em uma única região, verifique se o Cloud Bigtable está disponível em pelo menos uma outra zona nessa região. Veja a lista de zonas.

    • DISPLAY_NAME: um nome legível que identifica a instância no Console do GCP.

    O comando aceita as sinalizações opcionais a seguir:

    • --cluster-num-nodes=CLUSTER_NUM_NODES: número de nós no cluster. Os clusters em uma instância de produção precisam ter três ou mais nós. O valor padrão é 3. Caso não tenha certeza de quantos nodes são necessários, use o padrão. Será possível adicionar mais nodes depois. Saiba mais.

      Não use essa sinalização para instâncias de desenvolvimento.

    • --cluster-storage-type=CLUSTER_STORAGE_TYPE: o tipo de armazenamento a ser usado no cluster. Cada cluster em uma instância precisa usar o mesmo tipo de armazenamento. Aceita os valores SSD e HDD. O valor padrão é SSD.

      Na maioria dos casos, o valor padrão é o melhor. Essa opção é permanente. Saiba mais.

    • --instance-type=INSTANCE_TYPE: o tipo de instância a ser criada. Aceita um dos seguintes valores:

      • PRODUCTION (padrão): uma instância de alta disponibilidade completa. Essa opção é permanente. Saiba mais.
      • DEVELOPMENT: uma instância de baixo custo para desenvolvimento e teste com desempenho limitado e sem SLA. Será possível fazer upgrade para uma instância de produção depois. Saiba mais.
  2. Se quiser ativar a replicação de uma instância de produção, use o comando bigtable clusters create para adicionar um cluster:

    gcloud bigtable clusters create CLUSTER_ID \
        --instance=INSTANCE_ID \
        --zone=ZONE \
        [--num-nodes=NUM_NODES] \
        [--storage-type=STORAGE_TYPE]
    

    Forneça os valores a seguir:

    • CLUSTER_ID: identificador permanente do cluster.
    • INSTANCE_ID: identificador permanente da instância recém-criada.
    • ZONE: a zona em que o cluster é executado.

      Os clusters de uma instância precisam estar em zonas exclusivas. É possível criar um cluster adicional em qualquer zona em que o Cloud Bigtable esteja disponível. Por exemplo, se o primeiro cluster estiver em us-east1-b, será possível escolher uma zona diferente na mesma região, como us-east1-c, ou uma zona em uma região separada, como europe-west2-a.

    O comando aceita as sinalizações opcionais a seguir:

    • --num-nodes=NUM_NODES: número de nós no cluster. Os clusters em uma instância de produção precisam ter três ou mais nós.

      Em muitos casos, cada cluster em uma instância precisa ter o mesmo número de nós, mas há exceções. Saiba mais sobre nós e replicação.

    • --storage-type=STORAGE_TYPE: o tipo de armazenamento a ser usado no cluster. Cada cluster em uma instância precisa usar o mesmo tipo de armazenamento. Aceita os valores SSD e HDD. O valor padrão é SSD.

  3. Em seguida, revise as configurações de replicação no perfil de aplicativo padrão para verificar se elas se aplicam ao caso de uso de replicação. Talvez seja necessário atualizar o perfil de aplicativo padrão ou criar perfis personalizados.

cbt

  1. Comece criando uma instância com um único cluster. Use o comando createinstance para criar uma instância:

    cbt createinstance INSTANCE_ID DISPLAY_NAME CLUSTER_ID CLUSTER_ZONE \
        CLUSTER_NUM_NODES CLUSTER_STORAGE_TYPE
    

    Forneça os valores a seguir:

    • INSTANCE_ID: identificador permanente da instância.
    • DISPLAY_NAME: um nome legível que identifica a instância no Console do GCP.
    • CLUSTER_ID: identificador permanente do cluster.
    • CLUSTER_ZONE: a zona em que o cluster é executado.

      Caso planeje usar a replicação em uma única região, verifique se o Cloud Bigtable está disponível em pelo menos uma outra zona nessa região. Veja a lista de zonas.

    • CLUSTER_NUM_NODES: número de nós no cluster. Os clusters em uma instância de produção precisam ter três ou mais nós. Caso não tenha certeza de quantos nodes são necessários, use o padrão. Será possível adicionar mais nodes depois. Saiba mais

    • CLUSTER_STORAGE_TYPE: o tipo de armazenamento a ser usado no cluster. Cada cluster em uma instância precisa usar o mesmo tipo de armazenamento. Aceita os valores SSD e HDD. Na maioria dos casos, o melhor é o SSD. Essa opção é permanente. Saiba mais.

  2. Para permitir a replicação, use o comando createcluster para adicionar um cluster:

    
    cbt -instance=INSTANCE_ID createcluster CLUSTER_ID ZONE NUM_NODES STORAGE_TYPE
    
    

    Forneça os valores a seguir:

    • INSTANCE_ID: identificador permanente da instância recém-criada.
    • CLUSTER_ID: identificador permanente do cluster.
    • ZONE: a zona em que o cluster é executado.

      Os clusters de uma instância precisam estar em zonas exclusivas. É possível criar um cluster adicional em qualquer zona em que o Cloud Bigtable esteja disponível. Por exemplo, se o primeiro cluster estiver em us-east1-b, será possível escolher uma zona diferente na mesma região, como us-east1-c, ou uma zona em uma região separada, como europe-west2-a.

    • NUM_NODES: número de nós no cluster. Os clusters em uma instância de produção precisam ter três ou mais nós.

      Em muitos casos, cada cluster em uma instância precisa ter o mesmo número de nós, mas há exceções. Saiba mais sobre nós e replicação.

    • STORAGE_TYPE: o tipo de armazenamento a ser usado no cluster. Cada cluster em uma instância precisa usar o mesmo tipo de armazenamento. Aceita os valores SSD e HDD.

  3. Em seguida, revise as configurações de replicação no perfil de aplicativo padrão para verificar se elas se aplicam ao caso de uso de replicação. Talvez seja necessário atualizar o perfil de aplicativo padrão ou criar perfis personalizados.

Próximas etapas

Esta página foi útil? Conte sua opinião sobre:

Enviar comentários sobre…

Documentação do Cloud Bigtable