Você está visualizando a documentação de uma versão anterior do Migrate for Compute Engine (antigo Velostrata). Você escolhe se quer continuar usando esta versão ou usar a versão atual.

Arquitetura de referência do Google Cloud

O Migrate for Compute Engine apresenta um caminho para você migrar suas máquinas virtuais (VMs, na sigla em inglês) em execução no VMware vSphere para o Compute Engine. O Migrate for Compute Engine também é capaz de migrar servidores físicos e VMs da Amazon EC2 ou do Azure para o Compute Engine.

Os componentes principais de uma instalação do Migrate for Compute Engine são os seguintes:

No Google Cloud:

  • O Migrate for Compute Engine Manager no Google Cloud gerencia todos os componentes e coordena as migrações. Ele também exibe a IU do Migrate for Compute Engine.
  • As Cloud Extensions processam migrações de armazenamento e disponibilizam dados para cargas de trabalho migradas durante a migração. Uma Cloud Extension é um par de nós do Cloud Edge.
  • O Migrate for Compute Engine Exporter cria Persistent Disk do Google Cloud quando separa os discos.

No local:

  • O dispositivo virtual Migrate for Compute Engine On-Premises Backend veicula dados do VMware para a extensão de nuvem.
  • O plug-in do vCenter Migrate para Migrate for Compute Engine conecta o vCenter vSphere ao Migrate para Compute Engine Manager.

Na AWS:

  • O importador do Migrate for Compute Engine veicula os dados dos volumes do AWS Elastic Block Store para as Cloud Extensions.

No Azure:

  • O importador do Migrate for Compute Engine veicula dados de discos do Azure para as Cloud Extensions.

Arquitetura do Migrate for Compute Engine, mostrando todos os componentes da infraestrutura

Principais tecnologias

Migrar para o Compute Engine separa VMs do armazenamento e adiciona recursos que facilitam a migração para o Google Cloud, incluindo:

  • Implantação fácil: instale os dispositivos virtuais do Migrate for Compute Engine em apenas algumas etapas, sem instalar agentes em servidores.
  • Gerenciamento simples no vCenter para migrações de VMware: um plug-in nivela a curva de aprendizado para os administradores do VMware. A integração com tarefas, eventos e alarmes proporciona visibilidade e controle sobre a migração.
  • Elaborado pensando na segurança: as transferências de dados entre os componentes do Migrate for Compute Engine usam criptografia TLS e AES-128. Os dados em repouso que estão duplicados são eliminados, compactados e criptografados com AES-256
  • Inicialização pela WAN: o Migrate for Compute Engine realiza uma inicialização nativa na nuvem de suas VMs em alguns minutos, independentemente do tamanho da imagem. Enquanto a imagem é inicializada, o Migrate for Compute Engine adapta-a ao ambiente de destino. Não são necessárias alterações no aplicativo, na imagem original, no armazenamento, nos drivers ou na rede.
  • Streaming inteligente: o Migrate for Compute Engine prioriza os dados necessários para que um aplicativo seja executado e mova esses dados para a nuvem primeiro. Outros dados são transmitidos para a nuvem conforme a necessidade.
  • Otimização e armazenamento em cache em várias camadas: o Migrate for Compute Engine inclui um cache de leitura e gravação de várias camadas na nuvem. Esse cache armazena os dados necessários ao aplicativo. Eliminação de duplicação, pré-busca, write-back assíncrono e otimizações de rede aceleram ainda mais a migração, reduzindo a largura de banda em até 75% nas migrações de produção.
  • Resiliência: as Cloud Extensions do Migrate for Compute Engine usam uma configuração ativa-passiva em duas zonas de disponibilidade. Os dados são gravados nas duas zonas e depois transferidos de volta de maneira assíncrona, no local, para reduzir o risco de perda de dados. Se preferir, as gravações podem permanecer somente na nuvem para desenvolvimento e teste.

    O objetivo do ponto de recuperação (RPO, na sigla em inglês) é o período máximo aceitável em que os dados podem ser perdidos devido a um incidente. A arquitetura do Migrate for Compute Engine garante um RPO de 30 segundos para sincronização com o Google Cloud Storage no caso raro de uma falha de zona dupla e um RPO de 1 hora para sincronização no local.

  • Compatibilidade com vários sistemas operacionais: veja a lista de versões compatíveis de sistemas operacionais.

Arquitetura

Uma arquitetura de implantação comum do Migrate for Compute Engine consiste em duas partes:

O diagrama a seguir descreve uma implantação típica do Migrate for Compute Engine com o Google Cloud.

Implantação do Migrate for Compute Engine mostrando as conexões lógicas entre todos os componentes

À esquerda, há o data center corporativo (no local) e, à direita, uma nuvem privada virtual do Google Cloud. Os dois conectam-se usando um Cloud VPN ou Cloud Interconnect.

Outras arquiteturas de implantação compatíveis incluem:

  • migrações entre nuvens da AWS para o Google Cloud;
  • migrações híbridas do local e da AWS para o Google Cloud.

No Google Cloud

Use o Google Cloud Marketplace para implantar o Migrate for Compute Engine Manager no Google Cloud. Ele orquestra as operações de migração e exibe a IU da Web. O Migrate for Compute Engine Manager se conecta ao dispositivo virtual do Migrate for Compute Engine On-Premises Backend e acessa endpoints da API do Google Cloud e dos serviços Monitoring e Logs do pacote de operações do Google Cloud.

Depois de iniciar o Migrate for Compute Engine Manager e conectá-lo ao Migrate for Compute Engine Backend, crie as Cloud Extensions, que gerenciam a migração de armazenamento. Os nós da Cloud Extension, também conhecidos como nós do Cloud Edge, são executados em pares em zonas separadas do Google Cloud.

Em geral, o Migrate for Compute Engine Manager e a Cloud Extension exigem acesso de entrada do data center corporativo para o Google Cloud. Para migrar o armazenamento, é necessário ter acesso iSCSI de entrada de VMs locais migradas para o Google Cloud nos nós da Cloud Extension.

As sub-redes em que os nós de extensão de nuvem são implantados precisam permitir o acesso externo a determinados serviços, como o Cloud Storage e o Monitoring do pacote de operações do Google Cloud.

Data center corporativo

Ao fazer migrações locais para a nuvem, o dispositivo virtual do Migrate for Compute Engine On-Premises Backend no VMware:

  • estabelece um caminho de dados seguro com os nós da Cloud Extension;
  • inicia e interrompe as VMs usando APIs do VMware;
  • executa operações de armazenamento em discos de máquinas virtuais (VMDKs, na sigla em inglês) usando a API Storage do VMware.

AWS

Para migrações da AWS para o Google Cloud, o Migrate for Compute Engine Manager inicia instâncias do Importador na AWS conforme necessário para migrar cargas de trabalho de origem da AWS EC2 e seus respectivos volumes do EBS. Essas instâncias somente são executadas quando os dados estão sendo migrados.

Azure

Para migrações do Azure para o Google Cloud, o Migrate for Compute Engine Manager inicia instâncias do importador no Azure conforme a necessidade para migrar cargas de trabalho de origem do Azure e seus respectivos discos. Essas instâncias somente são executadas quando os dados estão sendo migrados.

A seguir

Veja um guia sobre a funcionalidade do Migrate for Compute Engine em Primeiros passos com o Migrate for Compute Engine.

Para mais informações sobre uma configuração de nuvem privada virtual recomendada, consulte os requisitos da configuração da conta do Google Cloud e da nuvem privada virtual (VPC, na sigla em inglês).