Visão geral dos mapas de URL

Os balanceadores de carga HTTP(S) do Google Cloud e o Traffic Director usam um mapa de URL para direcionar solicitações para um destino. Ao configurar um balanceador de carga HTTP(S) ou o Traffic Director, você cria um mapa de URL. Esse mapa de URL direciona o tráfego para um ou mais dos seguintes destinos de acordo com as regras que você estipular:

Um serviço de back-end representa um conjunto de back-ends, que são instâncias de um aplicativo ou microsserviço. Um bucket de back-end é um bucket do Google Cloud Storage, normalmente usado para hospedar conteúdo estático, como imagens.

Por exemplo, é possível usar um mapa de URL para encaminhar solicitações com base no host e no caminho delas:

  • As solicitações de https://example.com/video vão para um serviço de back-end.
  • As solicitações de https://example.com/audio vão para um serviço de back-end diferente
  • As solicitações de https://example.com/images vão para um bucket de back-end do Cloud Storage.
  • As solicitações de qualquer outra combinação de host e caminho vão para um serviço de back-end padrão.

Os mapas de URL são usados com estes produtos do Google Cloud:

Sobre mapas de URL

Quando uma solicitação chega ao balanceador de carga, ele a direciona para um serviço de back-end específico ou para um bucket de back-end de acordo com as configurações de um mapa de URL.

Por exemplo, suponha que você tenha a seguinte configuração:

  • Um endereço IP:
    • Todas as solicitações à sua organização vão para o mesmo endereço IP e o mesmo balanceador de carga.
    • O tráfego é direcionado para diferentes serviços de back-end com base no URL da solicitação.
  • Dois domínios:
    • example.net hospeda vídeos de treinamento.
    • example.org hospeda o site da sua organização.
  • Quatro conjuntos de servidores:
    • Um hospeda o site da sua organização (serviço de back-end: org-site).
    • Um hospeda o site de vídeo de treinamento geral (serviço de back-end: video-site).
    • Um hospeda vídeos de treinamento em HD (serviço de back-end: video-hd).
    • Um hospeda vídeos de treinamento em definição padrão (serviço de back-end: video-sd).

Você quer que aconteça o seguinte:

  • As solicitações para example.org ou qualquer domínio diferente de example.net para acessar o serviço de back-end org-site.
  • As solicitações para example.net que não correspondem a caminhos mais específicos para acessar o serviço de back-end video-site.
  • Solicitações para example.net/video/hd/* para acessar o serviço de back-end video-hd.
  • Solicitações para example.net/video/sd/* para acessar o serviço de back-end video-sd.

Com o mapa de URL, você configura esse tipo de roteamento baseado em host e caminho.

Exemplo de configuração do serviço de back-end (clique para ampliar)
Exemplo de configuração do serviço de back-end (clique para ampliar)

Gerenciamento de tráfego avançado

O balanceamento de carga HTTP(S) interno e o Traffic Director usam mapas de URL no roteamento baseado em host e caminho, conforme descrito neste documento. Quando usados com esses produtos, os mapas de URL também são compatíveis com recursos avançados de gerenciamento de tráfego. Saiba mais sobre o gerenciamento avançado de tráfego, em Visão geral do gerenciamento de tráfego e Gerenciamento de tráfego avançado.

Nomenclatura

Cada mapa de URL tem um nome. Quando você cria um balanceador de carga baseado em HTTP(S) por meio do Console do Google Cloud, um nome é atribuído ao mapa de URL. Ele é igual ao nome do balanceador de carga. Se você usa o gcloud ou a API, é possível definir um nome personalizado para o mapa de URL.

Componentes do mapa de URL

Um mapa de URL é um recurso de configuração do Google Cloud que direciona solicitações de URLs para serviços ou buckets de back-end. Ele faz isso usando o nome do host e as partes do caminho de cada URL processado:

  • O nome do host é a parte do nome de domínio de um URL. Por exemplo, a parte do nome do host do URL http://example.net/video/hd é example.net.
  • Um caminho é a parte de um URL após o nome do host e o número da porta opcional. Por exemplo, a parte do caminho do URL http://example.net/video/hd é /video/hd.
Configuração do balanceador de carga com mapa básico de URL (clique para ampliar).
Configuração do balanceador de carga com mapa básico de URL (clique para ampliar)

Este diagrama mostra a estrutura dos objetos de configuração de balanceamento de carga um em relação ao outro.

Você controla quais serviços ou buckets de back-end recebem solicitações de entrada usando os seguintes parâmetros de configuração do mapa de URL:

  • Serviço ou bucket de back-end padrão. Ao criar um mapa de URL, você precisa especificar um serviço ou bucket de back-end padrão, mas não ambos. Esse padrão representa o serviço ou bucket de back-end ao qual o Google Cloud encaminhará as solicitações de URLs com qualquer nome de host, a menos que haja uma regra de host aplicável.

  • Regra de host. Ela direciona as solicitações enviadas para um ou mais nomes de host associados a uma única correspondência de caminho. A parte do nome do host de um URL corresponde exatamente ao conjunto de nomes de host configurados da regra de host. Para direcionar as solicitações de http://example.net/video/hd para uma correspondência de caminho, você precisa de uma única regra de host que inclua, no mínimo, o nome de host example.net. Essa mesma regra de host também pode processar solicitações de outros nomes de host, mas isso as direciona para a mesma correspondência de caminho.

    Se você precisar direcionar solicitações para diferentes correspondências de caminho, use regras de host distintas. Duas regras de host em um mapa de URL não podem incluir o mesmo nome de host.

    Para corresponder todos os nomes de host, especifique o caractere curinga * na regra de host. Por exemplo, para os URLs http://example.org, http://example.net/video/hd e http://example.com/audio, é possível corresponder os três nomes de host example.org, example.net e example.com especificando * na regra de host. Também é possível corresponder um nome de host parcial com o caractere curinga *. Por exemplo, uma regra de host *.example.net corresponde aos dois nomes de host foo.example.net e bar.example.net.

    • Número da porta. Você também pode usar o parâmetro Regra de host para especificar um número de porta. Por exemplo, para direcionar solicitações example.net para a porta 8080, defina a regra de host como example.net:8080.
  • Correspondência de caminhos. É o parâmetro de configuração referenciado por uma regra de host. Define o relacionamento entre a parte do caminho de um URL e o serviço ou bucket de back-end que deve exibir a solicitação. Uma correspondência de caminho consiste em dois elementos:

    • Serviço ou bucket de back-end padrão da correspondência de caminho. Para cada correspondência de caminho, você precisa especificar pelo menos um serviço ou um bucket de back-end padrão, mas não ambos. Esse padrão representa o serviço ou bucket de back-end ao qual o Google Cloud encaminhará as solicitações de URLs com nomes de host que correspondem a uma regra de host associada à correspondência de caminho e com caminhos de URL que não correspondem a nenhuma regra de caminho na correspondência.

    • Regras de caminho. Para cada correspondência de caminho, é possível especificar uma ou mais regras de caminho. Elas são pares de chave-valor que mapeiam um caminho do URL para um único serviço ou bucket de back-end. Veja na próxima seção mais informações sobre como as regras de caminho funcionam.

Ordem de operações

Para um determinado nome de host e caminho em um URL solicitado, o Google Cloud usa o procedimento a seguir para direcionar a solicitação ao serviço ou bucket de back-end correto, conforme configurado no mapa de URL:

  • Se o mapa de URL não tiver uma regra de host para o nome de host do URL, o Google Cloud encaminhará as solicitações ao serviço ou bucket de back-end padrão do mapa de URL, dependendo de qual você definiu.

  • Se o mapa de URL tiver uma regra de host que inclua o nome de host do URL, a correspondência de caminho referenciada por essa regra de host será consultada:

    • Se a correspondência de caminho tiver uma regra que corresponda exatamente ao caminho do URL, o Google Cloud encaminhará as solicitações ao serviço ou bucket de back-end dessa regra.

    • Se a correspondência de caminho não tiver uma regra que corresponda exatamente ao caminho do URL, mas tiver outra terminada em /* com um prefixo que corresponda à seção mais longa do caminho do URL, o Google Cloud encaminhará as solicitações ao serviço ou bucket de back-end dessa regra. Por exemplo, para o mapa de URL que contém duas regras de correspondência de caminho /video/hd/movie1 e /video/hd/*, se o URL tiver o caminho exato /video/hd/movie1, ele será correspondido com essa regra de caminho.

    • Se nenhuma das condições anteriores for verdadeira, o Google Cloud encaminhará as solicitações ao serviço ou bucket de back-end padrão da correspondência de caminho, dependendo de qual você definiu.

Restrições da correspondência de caminho

As correspondências e regras de caminho têm as seguintes restrições:

  • Uma regra de caminho pode incluir apenas um caractere curinga (*) após um caractere de barra (/). Por exemplo, /videos/* e /videos/hd/* são válidos para regras de caminho, mas /videos* e /videos/hd* não.

  • As regras de caminho não usam correspondência de expressões regulares ou substrings. Por exemplo, regras de caminho para /videos/hd ou /videos/hd/* não se aplicam a um URL com o caminho /video/hd-abcd. No entanto, uma regra de caminho para /video/* se aplica a esse caminho.

  • As correspondências de caminho (e mapas de URL, em geral) não oferecem recursos que funcionam como as diretivas LocationMatch do Apache. Se você tem um aplicativo que gera caminhos de URL dinâmico com um prefixo comum, como /videos/hd-abcd e /videos/hd-pqrs, e precisa enviar as solicitações feitas a esses caminhos para diferentes serviços de back-end, talvez não seja possível fazer isso sem um mapa de URL. Em casos simples que contêm somente alguns URLs dinâmicos possíveis, talvez seja possível criar uma correspondência de caminho com o conjunto limitado de regras de caminho. Nos casos mais complexos, é necessário fazer a correspondência de expressões regulares baseadas em caminhos nos back-ends.

Um nome de host só pode referenciar uma única regra de host, e uma regra de host só pode referenciar uma única correspondência de caminho. No entanto, uma única regra de host pode processar vários nomes de host, e várias regras de host podem referenciar uma única correspondência de caminho. Assim, cada URL exclusivo é direcionado a apenas um serviço ou bucket de back-end:

  • O Google Cloud usa a parte do nome de host de um URL para selecionar uma única regra de host e a correspondência de caminho referenciada.

  • Na correspondência de caminho, não é possível criar mais de uma regra para o mesmo caminho. Por exemplo, não é possível direcionar solicitações de /videos/hd para mais de um serviço ou bucket de back-end. Os serviços de back-end podem ter grupos de instâncias de back-end ou grupos de endpoints de rede (NEGs, na sigla em inglês) de back-end em diferentes zonas e regiões. Além disso, é possível criar buckets de back-end que usam classes do Multi-Regional Storage.

Mapas e protocolos de URL

É possível usar o mesmo mapa de URL, regras de host e correspondências de caminho para processar solicitações HTTP e HTTPS enviadas por clientes. Para isso, os proxies HTTP e HTTPS de destino precisam referenciar o mapa de URL.

É possível usar um mapa de URLs para configurar o redirecionamento, conforme mostrado nos guias a seguir:

Mapa de URL mais simples

O mapa de URL mais simples tem apenas um serviço ou bucket de back-end padrão. Ele não contém regras de host nem correspondências de caminho. A opção que você definiu, seja serviço ou bucket de back-end padrão, processa todos os URLs solicitados.

Se você definir um serviço de back-end padrão, o Google Cloud encaminhará as solicitações para os grupos de instâncias de back-end ou NEGs de acordo com a configuração do serviço de back-end.

Mapa de URL sem regras, exceto a padrão (clique para ampliar)
Mapa de URL sem regras, exceto a padrão (clique para ampliar)

Exemplo de mapa de URL

Veja no exemplo a seguir a ordem das operações de um mapa de URL. Para simplificar o conceito, usamos nele apenas serviços de back-end. No entanto, você pode substituí-lo por buckets de back-end. Nas etapas a seguir, configuramos o mapa de URL de um balanceador de carga HTTP(S) externo. Veja um exemplo de como criar os outros componentes do balanceador de carga HTTP(S) externo em Como criar um balanceador de carga HTTP(S) externo. Veja um exemplo de como criar um mapa de URL e os outros componentes de um balanceador de carga HTTP(S) interno em Como se preparar para a configuração do balanceamento de carga HTTP(S) interno.

Cada serviço de back-end discutido no exemplo a seguir tem um esquema de externo e usa o protocolo HTTP, HTTPS ou HTTP/2.

  1. Crie um mapa de URL para o balanceador de carga e especifique um serviço de back-end padrão. Nesse exemplo, criamos um mapa de URL denominado video-org-url-map que referencia um serviço de back-end denominado org-site.

    gcloud compute url-maps create video-org-url-map \
        --default-service=org-site
    
  2. Crie uma correspondência de caminho denominada video-matcher com as seguintes características:

    • O serviço de back-end padrão é video-site, um serviço de back-end atual.
    • Adicione regras de caminho que direcionem solicitações para o caminho de URL /video/hd exato ou o prefixo /video/hd/* do caminho de URL para um serviço de back-end atual denominado video-hd.
    • Adicione regras de caminho que direcionem solicitações para o caminho de URL /video/sd exato ou o prefixo /video/sd/* do caminho de URL para um serviço de back-end atual denominado video-sd.
    gcloud compute url-maps add-path-matcher video-org-url-map \
        --path-matcher-name=video-matcher \
        --default-service=video-site \
        --path-rules=/video/hd=video-hd,/video/hd/*=video-hd,/video/sd=video-sd,/video/sd/*=video-sd
    
  3. Crie uma regra de host para o nome de host example.net que faça referência à correspondência de caminho video-matcher.

    gcloud compute url-maps add-host-rule video-org-url-map \
        --hosts=example.net \
        --path-matcher-name=video-matcher
    

O mapa de URL video-org-url-map direciona os URLs solicitados para os back-ends da maneira a seguir.

Mapa de URL com uma regra de caminho, correspondências de caminho e uma regra de host (clique para ampliar)
Mapa de URL com uma regra de caminho, correspondências de caminho e uma regra de host (clique para amplia)

Veja na tabela a seguir a descrição do processamento da solicitação mostrado no diagrama anterior.

Nome do host Caminhos de URL Serviço de back-end selecionado Motivo da seleção
O nome de host
example.org e todos os outros nomes de host diferentes de
example.net
todos os caminhos org-site O nome de host não está em nenhuma regra de host do mapa de URL, portanto, a solicitação é direcionada para o serviço de back-end padrão do mapa de URL.
Nome de host:
example.net
/video
/video/examples
video-site A solicitação vai para o serviço de back-end padrão porque não há nenhuma regra de caminho para /video/ ou /video/*. A regra de host para example.net referencia uma correspondência de caminho, mas ela não tem nenhuma regra que se aplica a esses caminhos.
Nome de host:
example.net
/video/hd
/video/hd/movie1
/video/hd/movies/movie2
Outros URLs que começam com /video/hd/*
video-hd Uma regra de host para example.net referencia uma correspondência de caminho com regras que direcionam as solicitações para caminhos do URL que correspondem exatamente a /video/hd ou que começam com /video/hd/* para o serviço de back-end video-hd.
Nome de host:
example.net
/video/sd
/video/sd/show1
/video/sd/shows/show2
Outros URLs que começam com /video/sd/*
video-sd Uma regra de host para example.net referencia uma correspondência de caminho com regras que direcionam as solicitações para caminhos do URL que correspondem exatamente a /video/sd ou que começam com /video/sd/* para o serviço de back-end video-sd.

Referência da API e da gcloud

Veja descrições das propriedades e dos métodos disponíveis ao trabalhar com mapas de URL por meio da API REST em:

Para informações referentes à ferramenta de linha de comando gcloud, consulte:

A seguir