Google Cloud Platform para profissionais do Azure: computação

Atualizado em 18 de julho de 2017

Compare os serviços de computação oferecidos pela Microsoft e pelo Google nos respectivos ambientes de nuvem. Os serviços de computação costumam ser oferecidos em quatro modelos de serviço:

  • Infrastructure as a Service (IaaS), em que os usuários têm acesso direto e sob demanda a máquinas virtuais, bem como a um conjunto de serviços relacionados para automatizar tarefas comuns.
  • Platform as a Service (PaaS), em que a camada de máquina é completamente abstraída e os usuários interagem com os recursos por meio de APIs e serviços de alto nível.
  • Contêineres como serviço (CaaS, na sigla em inglês), um híbrido de IaaS/PaaS que abstrai a camada da máquina, mas mantém muita da flexibilidade do modelo IaaS.
  • Funções como serviço (FaaS, na sigla em inglês), em que os usuários criam microsserviços no estilo Paas sem servidor, sem a necessidade de criar aplicativos completos.

Neste artigo, você conhece os serviços IaaS oferecidos pelo Google e pela Microsoft.

Comparação de IaaS

Para IaaS, o Microsoft Azure oferece as máquinas virtuais (VMs) do Azure e o Google Cloud Platform oferece o Compute Engine. O Google e a Microsoft abordam de forma semelhante os serviços IaaS. Ambos são fundamentais para o respectivo ambiente de nuvem, e quase todos os tipos de carga de trabalho do cliente são executados neles.

De modo geral, a terminologia e os conceitos do IaaS da Azure correspondem aos do Google Compute Engine da seguinte maneira:

Recurso Azure Compute Engine
Máquinas virtuais Máquinas virtuais Instâncias de máquina virtual
Imagens Imagem (apenas disco de inicialização e máquina completa) Imagem (apenas disco de inicialização)
Imagens personalizadas VMs Azure generalizadas Imagens personalizadas
Modelos de VM Modelos do Resource Manager Modelos de instância
Escalonamento automático de instâncias Escalonamento automático do Azure Autoescalador do Compute Engine
Formatos compatíveis de importação da VM VHD RAW, OVA, VMDK e VHD
Localidade da implantação Regional (equivalente às zonas do Cloud Platform) Por zona
VMs preemptivas Sim Sim
Instantâneos incrementais Sim Sim

Máquinas virtuais

As instâncias de VM do Compute Engine e as VMs do Azure compartilham muitos dos mesmos recursos. Nos dois serviços, você:

  • cria instâncias a partir de imagens do disco de inicialização;
  • inicia e encerra instâncias sob demanda;
  • gerencia as instâncias sem restrições;
  • marca as instâncias;
  • instala uma série de sistemas operacionais disponíveis na instância.

Acesso à máquina

Tanto no Compute Engine quanto no Azure, é possível acessar seus computadores Windows por meio de métodos padrão, como o Serviço de Gerenciamento Remoto do Windows e o protocolo Remote Desktop Protocol (RDP).

No caso de máquinas Linux, o Compute Engine e o Azure tratam o acesso à máquina baseado em SSH de formas ligeiramente diferentes. Com o Azure, é preciso incluir sua própria chave SSH se quiser esse tipo de acesso à sua VM. Já no Compute Engine, é possível criar a chave quando você precisar dela, mesmo que sua instância de VM já esteja em execução.

O Compute Engine também fornece o SSH do navegador, um terminal SSH baseado em navegador para uma determinada instância de VM. O Azure Cloud Console e o Google Cloud Shell fornecem uma interface de linha de comando temporária para as respectivas plataformas, enquanto o SSH do navegador fornece acesso direto a uma instância de VM específica a partir do navegador. Se você optar por usar esse recurso, que está disponível no Console do Google Cloud, poderá evitar o armazenamento de chaves em sua máquina local.

Tipos de máquina

O Azure e o Compute Engine oferecem uma série de configurações de máquinas virtuais predefinidas com quantidades específicas de CPU virtual, RAM e capacidade de rede. No Compute Engine, é possível descartar as configurações predefinidas e personalizar os recursos de CPU e RAM da instância de VM para se adequarem à sua carga de trabalho.

A tabela a seguir relaciona os tipos de máquinas para ambos os serviços a partir de junho de 2017.

Tipo de máquina Azure Compute Engine
Básico A0 básico - A4 básico f1-micro (shared-core)
g1-small (shared-core)
Uso geral A0 - A7
A1 v2 - A8 v2
A2m v2 - A8m v2
D1 - D4
D1 v2 - D5 v2
DS1 - DS5
DS1 vs2 - DS5 v2
n1-standard-1 - n1-standard-64
Otimizado para computação F1 - F16
A8 - A11
H8 - H16mr
n1-highcpu-2 - n1-highcpu-64
Otimizado para memória M64ms - M128s
GS1 - GS5
G1 - G5
D11 v2 - D15 v2
D11 - D14
DS11 - DS14
n1-highmem-2 - n1-highmem-64
Otimizado para armazenamento L4s - L32s N/D
GPU NC6 - NC24r
NV6 - NV24
Conectável em qualquer tipo de máquina com núcleo não compartilhado
Configuração personalizada dos recursos da VM Não Sim

Imagens

O Azure fornece imagens do SO, que correspondem apenas aos discos de inicialização, e imagens da VM do Azure, que também incluem discos de dados ou discos de troca da VM. As imagens da máquina do Compute Engine correspondem somente a discos de inicialização.

O Azure e o Compute Engine fornecem uma série de imagens compatíveis com a plataforma ou comunidade para sistemas operacionais utilizados com frequência, como o Windows, o Ubuntu ou o Red Hat Enterprise Linux, bem como imagens com diversos aplicativos de servidor comuns pré-instalados, como o SQL Server. Em ambas as plataformas, para escolher uma imagem com um sistema operacional premium que exija uma licença, é preciso pagar uma taxa de licença, além dos custos normais da VM.

As plataformas também incluem mercados com diversas soluções completas pré-configuradas. O Azure tem o Azure Marketplace e o Cloud Platform tem o Cloud Launcher. Esses canais permitem iniciar aplicativos comuns em uma ou mais VMs com uma configuração mínima.

Importação de imagens personalizadas

O Azure e o Compute Engine contam com métodos de importação de imagens de máquinas atuais para os respectivos ambientes:

  • No Azure, a imagem da máquina transferida por upload precisa ser um VHD compatível com a versão do Hyper-V do Azure. Você armazena os VHDs em uma conta de armazenamento como blobs de página.
  • A ferramenta de importação do Compute Engine é compatível com imagens de máquinas VHD, RAW, OVA e VMDK. Faça o upload da imagem para o Google Cloud Storage e depois use a ferramenta de linha de comando gcloud ou o Console do Cloud para importar a imagem para o Compute Engine. Para mais detalhes sobre como importar imagens e outros recursos virtuais para o Compute Engine, consulte Como escolher um método de importação.

Se você cria seus próprios sistemas operacionais personalizados e planeja executá-los no Compute Engine, verifique se eles atendem aos requisitos de kernel e compatibilidade de hardware para imagens personalizadas.

VMs preemptivas

O Azure oferece VMs de baixa prioridade como parte do Lote do Azure, um serviço projetado para o processamento em lote de alto desempenho. VMs de baixa prioridade são máquinas virtuais temporárias disponíveis quando os recursos não são totalmente utilizados. Elas são mais baratas do que as VMs padrão, mas são recuperadas pelos respectivos serviços de computação sem aviso prévio. Devido a essa natureza temporária, essas VMs são mais úteis quando os aplicativos têm tarefas que podem ser interrompidas ou que usam, sem necessidade, uma potência elevada de computação.

As VMs de baixa prioridade estão disponíveis apenas por meio do Lote do Azure e, por padrão, limitadas a 50 núcleos por conta desse serviço. A partir de maio de 2017, elas estarão em Visualização.

Da mesma forma, o Compute Engine oferece instâncias de VM preemptivas, que têm a mesma finalidade das VMs de prioridade baixa do Azure. Ao contrário das VMs de baixa prioridade, as instâncias de VM preemptivas não estão vinculadas a um serviço específico, o que proporciona uma flexibilidade um pouco maior. As instâncias preemptivas de VM duram no máximo 24 horas. Para mais informações, consulte Instâncias de VMs preemptivas.

Automação

Escalonamento

O Compute Engine e o Azure são compatíveis com o escalonamento automático, em que instâncias são criadas e removidas de acordo com as políticas definidas pelo usuário. Esse escalonamento é usado para manter um número específico de instâncias em um determinado momento ou para ajustar a capacidade em resposta a determinadas condições. As instâncias de escalonamento automático são criadas a partir de um modelo definido pelo usuário.

O Compute Engine e o Azure implementam o escalonamento automático de formas semelhantes:

  • No escalonamento automático do Azure, o escalonamento das instâncias é feito em um conjunto de escalas da VM. Nesse conjunto, as instâncias são criadas e removidas de acordo com a política de escalonamento automático de sua escolha. Cada nova instância dentro do grupo é criada a partir de um modelo do Resource Manager de instância única.
  • O autoescalador do Compute Engine faz o escalonamento das instâncias dentro de um grupo de instâncias gerenciadas. As instâncias são criadas e removidas de acordo com a política de escalonamento automático de sua escolha. Cada nova instância dentro do grupo é criada a partir de um modelo de instância.

O escalonamento automático do Azure permite dois tipos de escalonamento: programado e dinâmico. Com o escalonamento programado, você configura conjuntos de escalas da VM para aumentar ou diminuir a escala em horários programados. Com o escalonamento dinâmico, isso é feito de acordo com um limite de métricas, como utilização da CPU ou tamanho da fila de mensagens.

O autoescalador do Compute Engine é compatível apenas com escalonamento dinâmico. Crie políticas com base na média de utilização da CPU, na capacidade de veiculação do balanceamento de carga HTTP ou nas métricas do Stackdriver Monitoring.

Configuração pós-implantação

O Compute Engine e o Azure oferecem métodos para executar outra configuração automaticamente após a implantação de uma instância. No Azure, adicione extensões de VM para facilitar a configuração da VM após a implantação. No Compute Engine, adicione scripts de inicialização para executar tarefas automatizadas toda vez que sua instância for inicializada como, por exemplo, instalar software, executar atualizações ou ativar serviços.

Redes internas

O Compute Engine e o Azure conectam automaticamente novas VMs a uma rede virtual interna. Além disso, é possível criar outras redes e iniciar instâncias nessas redes em ambos os serviços. Para uma comparação completa das redes do Cloud Platform e do Azure, consulte o artigo "Rede".

Armazenamento em blocos

O Azure e o Compute Engine são compatíveis com o armazenamento em blocos conectado em rede ou localmente. Para uma comparação detalhada dos serviços de armazenamento em blocos, consulte a página relacionada.

Custos

Nesta seção, você compara os modelos de preços para VMs do Compute Engine e do Azure.

Preços sob demanda

O Compute Engine e o Azure têm modelos de preços sob demanda semelhantes para executar VMs. Cada serviço é cobrado por minuto. O Compute Engine tem uma cobrança mínima de 10 minutos de uso. Ambos os serviços permitem que a VM seja executada indefinidamente.

Preços com desconto

Os descontos são tratados de formas bem distintas no Compute Engine e no Azure.

A Microsoft oferece descontos mais substanciais para as VMs por meio dos Microsoft Enterprise Agreements. É possível ter descontos por meio desse contrato ao se comprometer com uma instalação de um ou mais componentes de nuvem ou servidor do Microsoft com cobertura completa do Software Assurance. Mesmo que você não tenha um Microsoft Enterprise Agreement, também é possível conseguir descontos por meio de um revendedor.

Por outro lado, o Compute Engine oferece um modelo de desconto por uso prolongado e um modelo por uso contínuo.

  • Descontos por uso prolongado: o Compute Engine aplica automaticamente descontos às suas instâncias, de acordo com o tempo de ativação das instâncias da VM em um determinado mês. Quanto mais tempo uma instância for usada em um determinado mês, maior será o desconto. Com os descontos por uso prolongado, você economiza até 30% da taxa padrão sob demanda.
  • Descontos por uso contínuo: você se compromete a reservar um número de CPUs virtuais por um período de um ano ou três. A cobrança é feita pelo uso, sejam elas totalmente utilizadas ou não. Este modelo é adequado para uso previsível e estável, em que você consegue prever o uso de uma quantidade específica de núcleos e memória nas futuras cargas de trabalho. Com os descontos por uso contínuo, você economiza até 57% da taxa padrão sob demanda.

Para mais detalhes sobre os preços do Compute Engine, consulte esta página.

A seguir

A seguir: rede