Como migrar VMs com o Migrate for Compute Engine: primeiros passos

Este é o primeiro documento de uma série que orienta a migração de máquinas virtuais (VMs) do ambiente de origem para o Google Cloud usando o Migrate for Compute Engine. O ambiente de origem pode ser executado em um ambiente local, em um ambiente de hospedagem particular ou em outro provedor de nuvem.

Neste documento, fornecemos uma visão geral do Migrate for Compute Engine e para que ele é usado. Ele também contém pontos importantes a serem considerados ao planejar uma migração de VM e fornece orientações sobre como migrar VMs.

Este documento faz parte de uma série sobre a migração para o Google Cloud. Se você tiver interesse em uma visão geral da série, consulte Migração para o Google Cloud: como escolher seu caminho de migração.

Este documento faz parte de uma série:

Este documento é útil para planejar migrações de VMs de um ambiente de origem compatível para o Compute Engine usando o Migrate for Compute Engine. Esses ambientes de origem podem incluir o seguinte:

O Migrate for Compute Engine simplifica a migração de VMs para o Google Cloud. Você não precisa gastar esforço para projetar e implementar um conjunto de ferramentas confiável para avaliar manualmente como as VMs se comportam no Google Cloud e, depois, migrá-las manualmente. O Migrate for Compute Engine acelera a migração da VM, economiza tempo e permite que você se concentre em aprimorar as cargas de trabalho.

Nesta série, presume-se que você leu e tem familiaridade com os documentos a seguir:

Como projetar a migração para o Google Cloud

Para migrar VMs do ambiente de origem para o Google Cloud, recomendamos seguir o framework descrito na série sobre migração para o Google Cloud.

No diagrama a seguir, veja o caminho da sua jornada de migração.

Caminho de migração com quatro fases.

O framework ilustrado no diagrama anterior tem quatro fases:

  1. Avaliar. Nesta fase, você avalia o ambiente de origem, analisa as cargas de trabalho que você quer migrar para o Google Cloud e define quais VMs são compatíveis com cada carga de trabalho.
  2. Planejar. Nesta fase, você cria a infraestrutura básica para o Migrate for Compute Engine, como provisionar a hierarquia de recursos e configurar o acesso à rede.
  3. Implantar. Nesta fase, você migra as VMs do ambiente de origem para o Compute Engine.
  4. Otimizar. Nesta fase, você começa a aproveitar as tecnologias e os recursos de nuvem.

Como avaliar o ambiente de origem e as cargas de trabalho

Na fase de avaliação, você reúne informações sobre o ambiente de origem e as cargas de trabalho que você quer migrar. A avaliação do ambiente de origem e das cargas de trabalho que você quer migrar é crucial para planejar a migração e dimensionar corretamente os recursos necessários para a migração e o ambiente de destino.

O processo para avaliar o ambiente de origem e as cargas de trabalho não se restringe ao uso do Migrate for Compute Engine para migrar VMs. Para mais informações sobre como avaliar o ambiente de origem, consulte Migração para o Google Cloud: como avaliar e descobrir suas cargas de trabalho.

A seguir