Ambiente de execução do Ruby

O ambiente de execução do Ruby permite executar o app no App Engine em um ambiente de sandbox. Neste documento, explicamos detalhes do ambiente de execução do Ruby, incluindo os cabeçalhos que são fornecidos para o código e outras informações para implantar com êxito o aplicativo no App Engine.

Especifique o ambiente de execução do Ruby para o App Engine no ambiente padrão no arquivo app.yaml como ruby25:

runtime: ruby25 # or ruby26 or ruby27 for Ruby 2.6 (beta) or Ruby 2.7 (beta)

Versão do Ruby

O ambiente de execução do Ruby é compatível com o Ruby 2.5, Ruby 2.6 (Beta) e Ruby 2.7 (Beta). Ele usa a versão estável mais recente escolhida. O App Engine é atualizado automaticamente para novas versões de lançamento após a implantação do aplicativo, mas não atualiza automaticamente a versão secundária.

Por exemplo, o aplicativo pode ser implantado no Ruby 2.5.0 e atualizado automaticamente para a versão 2.5.1 em uma implantação posterior, mas não será atualizado automaticamente para o Ruby 2.6.

Dependências

Para ver mais informações sobre como declarar e gerenciar dependências, consulte Como especificar dependências.

Inicialização do aplicativo

O ambiente de execução inicia seu aplicativo usando o entrypoint definido em app.yaml. O entrypoint deve iniciar um processo que responde a solicitações HTTP na porta definida pela variável de ambiente PORT. Por exemplo:

entrypoint: bundle exec rails server -p $PORT

A maioria dos aplicativos da Web usa um servidor compatível com Rack, como Puma, Unicorn ou Thin.

É preciso adicionar o servidor como uma dependência no arquivo de configuração Gemfile de seu aplicativo. O ambiente de execução instalará todas as dependências antes que o ponto de entrada seja chamado.

source "https://rubygems.org"

gem "rack"
gem "puma"

Um exemplo de entrypoint que usa puma para um aplicativo do Rails:

entrypoint: bundle exec rails server Puma -p $PORT

Um exemplo de entrypoint que usa puma para um aplicativo do Rack:

entrypoint: bundle exec rackup -s Puma -p $PORT

No caso de aplicativos capazes de processar solicitações sem um servidor Rack, basta executar um script ruby:

entrypoint: bundle exec ruby app.rb

Variáveis de ambiente

As seguintes variáveis de ambiente são definidas pelo ambiente de execução:

Variável de ambiente Descrição
GAE_APPLICATION O ID do aplicativo do App Engine. Esse ID tem o prefixo "region code~", como "e~" para aplicativos implantados na Europa.
GAE_DEPLOYMENT_ID O ID da implantação atual.
GAE_ENV O ambiente do App Engine. Defina como standard.
GAE_INSTANCE O ID da instância em que o serviço é executado no momento.
GAE_MEMORY_MB A quantidade de memória disponível para o processo do aplicativo em MB.
GAE_RUNTIME O ambiente de execução especificado no seu arquivo app.yaml.
GAE_SERVICE O nome do serviço especificado no seu arquivo app.yaml. Se nenhum nome de serviço for especificado, ele será definido como default.
GAE_VERSION O rótulo da versão atual do serviço.
GOOGLE_CLOUD_PROJECT O ID do projeto do Cloud associado ao aplicativo.
PORT A porta que recebe solicitações HTTP.

É possível definir variáveis de ambiente adicionais no arquivo app.yaml, mas os valores acima não podem ser modificados.

HTTPS e proxies de encaminhamento

O App Engine encerra as conexões HTTPS no balanceador de carga e encaminha as solicitações para o aplicativo. Em alguns aplicativos, é necessário determinar o protocolo e o IP de solicitação originais. O endereço IP do usuário está disponível no cabeçalho X-Forwarded-For padrão. Para os aplicativos que exigem essas informações, é preciso configurar o framework da Web para confiar no proxy.

Sistema de arquivos

O ambiente de execução inclui um diretório /tmp gravável, mas todos os outros diretórios têm acesso somente de leitura. A gravação em /tmp ocupa a memória do sistema. Para obter mais informações, consulte as documentações TempDir e TempFile.

Servidor de metadados

Cada instância do aplicativo pode usar o servidor de metadados do App Engine para consultar informações sobre a instância e o projeto.

É possível acessar o servidor de metadados por meio dos endpoints a seguir:

  • http://metadata
  • http://metadata.google.internal

A tabela a seguir lista os endpoints em que é possível fazer solicitações HTTP para metadados específicos.

Endpoint de metadados Descrição
/computeMetadata/v1/project/numeric-project-id Número do projeto atribuído ao seu projeto.
/computeMetadata/v1/project/project-id ID do projeto atribuído ao seu projeto.
/computeMetadata/v1/instance/zone Zona em que a instância está em execução.
/computeMetadata/v1/instance/service-accounts/default/aliases
/computeMetadata/v1/instance/service-accounts/default/email E-mail da conta de serviço padrão atribuído ao seu projeto.
/computeMetadata/v1/instance/service-accounts/default/ Lista todas as contas de serviço padrão do seu projeto.
/computeMetadata/v1/instance/service-accounts/default/scopes Lista todos os escopos compatíveis com as contas de serviço padrão.
/computeMetadata/v1/instance/service-accounts/default/token Retorna o token de autenticação que pode ser usado para autenticar o aplicativo em outras APIs do Google Cloud.

Por exemplo, para recuperar o ID do projeto, envie uma solicitação para http://metadata.google.internal/computeMetadata/v1/project/project-id.