Arquivo de configuração do cluster de administrador

Nesta página, apresentamos os campos no arquivo de configuração do cluster do administrador.

Como gerar um modelo para o arquivo de configuração

Se você usou gkeadm para criar a estação de trabalho do administrador, gkeadm gerou um modelo do arquivo de configuração do cluster de administrador. Além disso, gkeadm preenche alguns campos.

Se você não usou gkeadm para criar a estação de trabalho do administrador, use gkectl para gerar um modelo para o arquivo de configuração do cluster de administrador.

Para gerar um modelo para o arquivo de configuração do cluster de administrador:

gkectl create-config admin --config=[OUTPUT_FILENAME]

[OUTPUT_FILENAME] é um caminho de sua escolha para o modelo gerado. Se você omitir essa sinalização, gkectl nomeará o arquivo admin-cluster.yaml e o colocará no diretório atual.

Como preencher o arquivo de configuração

No arquivo de configuração, insira os valores de campo conforme descrito nas seções a seguir.

bundlePath

String. O caminho do arquivo de pacote no GKE On-Prem.

O arquivo de pacote completo do GKE On-Prem contém todos os componentes em uma versão específica dessa solução. Quando você cria uma estação de trabalho de administrador, ela vem com um pacote completo em:

/var/lib/gke/bundles/gke-onprem-vsphere-[VERSION]-full.tgz

Por exemplo:

bundlePath: "/var/lib/gke/bundles/gke-onprem-vsphere-1.5.0-gke.27-full.tgz"

vCenter

Nesta seção, você vê informações sobre o ambiente vCenter.

vCenter.address

String. O endereço IP ou o nome do host do servidor vCenter.

Antes de preencher o campo address, faça o download e inspecione o certificado de exibição do servidor vCenter. Digite o comando a seguir para fazer o download do certificado e salvá-lo em um arquivo chamado vcenter.pem.

true | openssl s_client -connect [VCENTER_IP]:443 -showcerts 2>/dev/null | sed -ne '/-BEGIN/,/-END/p' > vcenter.pem

[VCENTER_IP] é o endereço IP do servidor vCenter.

Abra o arquivo de certificado para ver o nome comum e o alternativo do assunto:

openssl x509 -in vcenter.pem -text -noout

A saída mostra o nome comum (CN, na sigla em inglês) Subject. Pode ser um endereço IP ou um nome do host. Exemplo:

Subject: ... CN = 203.0.113.100
Subject: ... CN = my-vcenter-server.my-domain.example

A saída também pode incluir um ou mais nomes de DNS em Subject Alternative Name:

X509v3 Subject Alternative Name:
    DNS:vcenter.my-domain.example

Escolha o nome comum Subject ou um dos nomes de DNS em Subject Alternative Name para usar como o valor de vcenter.address no arquivo de configuração. Por exemplo:

vCenter:
  address: "203.0.113.100"
vCenter:
  address: "my-vcenter-server.my-domain.example"

vCenter.datacenter

String. O nome do data center do vCenter. Exemplo:

vCenter:
  datacenter: "MY-DATACENTER"

vCenter.cluster

String. O nome do seu cluster do vCenter. Exemplo:

vCenter:
  cluster: "MY-CLUSTER"

vCenter.resourcePool

String. O nome do pool de recursos do vCenter. Exemplo:

Se você estiver usando um pool de recursos que não seja o padrão, forneça o nome do pool de recursos do vCenter. Exemplo:

vCenter:
  resourcePool: "MY-POOL"

Se você estiver usando o pool de recursos padrão, forneça o seguinte valor:

vCenter:
  resourcePpool: "[VCENTER_CLUSTER]/Resources"

[VCENTER_CLUSTER] é o nome do cluster do vCenter.

vCenter.datastore

String. O nome do armazenamento de dados do vCenter. Por exemplo:

vCenter:
  datastore: "MY-DATASTORE"

Consulte Como especificar o pool de recursos raiz para um host autônomo (em inglês).

vCenter.caCertPath

String. Quando um cliente, como o GKE On-Prem, envia uma solicitação ao servidor vCenter, o servidor precisa provar a própria identidade ao cliente, apresentando um certificado ou um pacote de certificados. Para verificar o certificado ou o pacote, o GKE On-Prem precisa ter o certificado raiz na cadeia de confiança.

Defina vCenter.caCertPath como o caminho do certificado raiz. Exemplo:

vCenter:
  caCertPath: "/usr/local/google/home/me/certs/vcenter-ca-cert.pem"

A instalação do VMware tem uma autoridade de certificação (CA, na sigla em inglês) que emite um certificado para o servidor vCenter. O certificado raiz na cadeia de confiança é um certificado autoassinado criado pela VMware.

Se você não quiser usar a CA do VMWare, que é o padrão, configure o VMware para usar uma autoridade de certificação diferente (em inglês).

Se o servidor vCenter usa um certificado emitido pela CA do VMware padrão, faça o download do certificado da seguinte maneira:

curl -k "https://[SERVER_ADDRESS]/certs/download.zip" > download.zip

[SERVER_ADDRESS] é o endereço do servidor vCenter.

Instale o comando unzip e descompacte o arquivo de certificado:

sudo apt-get install unzip
unzip downloads.zip

Se o comando para descompactar não funcionar na primeira vez, digite o comando novamente.

Encontre o arquivo de certificado em certs/lin.

vCenter.credentials.fileRef.path

String. O caminho de um arquivo de configuração de credenciais que contém o nome de usuário e a senha da sua conta de usuário do vCenter. A conta de usuário precisa ter o papel de administrador ou privilégios equivalentes. Consulte os requisitos do vSphere. Por exemplo:

vCenter:
  credentials:
    fileRef:
      path: "my-config-folder/admin-creds.yaml"

vCenter.credentials.fileRef.entry

String. O nome do bloco de credenciais, no arquivo de configuração de credenciais, que contém o nome de usuário e a senha da conta de usuário do vCenter. Por exemplo:

vCenter:
  credentials:
    fileRef:
      entry: "vcenter-creds"

vCenter.dataDisk

String. O GKE On-Prem cria um disco de máquina virtual (VMDK, na sigla em inglês) para armazenar os dados do objeto do Kubernetes. O instalador cria o VMDK para você, mas é necessário fornecer um nome para o VMDK no campo vCenter.dataDisk. Exemplo:

vCenter:
  dataDisk: "my-disk.vmdk"

network

Esta seção contém informações sobre a rede do cluster de administrador.

network.hostConfig

Se você quiser modificar determinados valores nos seus arquivos hostconfig, preencha esta seção. Caso contrário, remova esta seção.

Os valores inseridos nesta seção modificam os valores que estão no arquivo hostconfig do cluster de administrador e o arquivo hostconfig do balanceador de carga Seesaw do cluster de administrador.

network.hostConfig.dnsServers

Matriz de strings. Os endereços de servidores DNS a serem usados pelos hosts. Exemplo:

network:
  hostConifg:
    dnsServers:
    - "172.16.255.1"
    - "172.16.255.2"

network.hostConfig.ntpServers

Matriz de strings. Os endereços dos servidores de horário para os hosts usarem. Exemplo:

network:
  hostConifg:
    ntpServers:
    - "216.239.35.0"

network.hostConfig.searchDomainsForDNS

Matriz de strings. Domínios de pesquisa DNS para os hosts usar. Esses domínios são usados como parte de uma lista de pesquisa de domínio. Por exemplo:

network:
  hostConifg:
    searchDomainsForDNS:
    - "my.local.com"

network.ipMode.type

String. Se você quiser que os nós do cluster recebam o endereço IP de um servidor DHCP, defina-o como "dhcp". Se quiser que os nós do cluster tenham endereços IP estáticos escolhidos em uma lista fornecida, defina isso como "static". Exemplo:

network:
  ipMode:
    type: "static"

network.ipMode.ipBlockFilePath

Se você definir ipMode.type como "static", preencha este campo.

Se você definir ipMode.type como "dhcp", remova esse campo.

String. O caminho do arquivo de configuração do host para o cluster de administrador. Exemplo:

network:
  ipMode:
    ipBlockFilePath: "/my-config-folder/admin-hostconfig.yaml"

network.serviceCIDR e network.podCiDR

Strings. O cluster de administrador precisa ter um intervalo de endereços IP para usar em serviços e um para usar em pods. Esses intervalos são especificados pelos campos network.serviceCIDR e network.podCIDR. Esses campos são preenchidos com valores padrão. Se quiser, é possível alterar os valores preenchidos para valores de sua escolha.

Os intervalos de serviços e pods não podem se sobrepor. Além disso, os intervalos de serviços e pods não podem se sobrepor a endereços IP usados para nós em qualquer cluster.

Exemplo:

network:
  ...
  serviceCIDR: "10.96.232.0/24"
  podCIDR: "192.168.0.0/16"

network.vCenter.networkName

String. O nome da rede do vSphere para os nós do cluster.

Se o nome tiver um caractere especial, use uma sequência de escape.

Caracteres especiais Sequência de escape
Barra (/) %2f
Barra invertida (\) %5c
Sinal de porcentagem (%) %25

Se o nome da rede não for exclusivo, será possível especificar um caminho para a rede, como /DATACENTER/network/NETWORK_NAME.

Por exemplo:

network:
  vCenter:
    networkName: "MY-CLUSTER-NETWORK"

loadBalancer

Esta seção contém informações sobre o balanceador de carga do cluster de administrador.

loadBalancer.vips.controlPlaneVIP

String. O endereço IP que você escolheu configurar no balanceador de carga para o servidor da API Kubernetes do cluster de administrador. Exemplo:

loadBalancer:
  vips:
    controlplaneVIP: "203.0.113.3"

loadBalancer.vips.addonsVIP

String. O endereço IP que você escolheu configurar no balanceador de carga para complementos. Exemplo:

loadBalancer:
  vips:
    addonsVIP: "203.0.113.4"

loadBalancer.kind

String. Defina como "Seesaw", "F5BigIP" ou "ManualLB". Por exemplo:

loadBalancer:
  kind: "Seesaw"

loadBalancer.manualLB

Se você definir loadbalancer.kind como "ManualLB", preencha esta seção. Caso contrário, remova esta seção.

loadBalancer.manualLB.ingressHTTPNodePort

Remova esse campo do arquivo de configuração. Ela não é usada em um cluster de administração.

loadBalancer.manualLB.ingressHTTPSNodePort

Remova esse campo do arquivo de configuração. Ele não é usado em um cluster de administrador.

loadBalancer.manualLB.controlPlaneNodePort

Integer. O servidor da API Kubernetes no cluster de administrador é implementado como um serviço do tipo NodePort. É preciso escolher um valor nodePort para o serviço.

Defina esse campo como o valor nodePort. Exemplo:

loadBalancer:
  manualLB:
    contolPLaneNodePort: 30968

loadBalancer.manualLB.addonsNodePort

Número inteiro. O servidor de complementos no cluster de administrador é implementado como um Serviço do tipo NodePort. É preciso escolher um valor nodePort para o serviço.

Defina esse campo como o valor nodePort. Exemplo:

loadBalancer:
  manualLB:
    addonsNodePort: 31405

loadBalancer.f5BigIP

Se você definir loadbalancer.kind como "f5BigIP", preencha esta seção. Caso contrário, remova esta seção.

loadBalancer.f5BigIP.address

String. O endereço do balanceador de carga F5 BIG-IP. Por exemplo:

loadBalancer:
  f5BigIP:
    address: "203.0.113.2"

loadBalancer.f5BigIP.fileRef.path

String. O caminho de um arquivo de configuração de credenciais que contém o nome de usuário e a senha de uma conta que o GKE On-Prem pode usar para se conectar ao balanceador de carga F5 BIG-IP. Por exemplo:

loadBalancer:
  f5BigIP:
    fileRef:
      path: ""my-config-folder/admin-creds.yaml"

loadBalancer.f5BigIP.fileRef.entry

String. O nome do bloco de credenciais, no arquivo de configuração de credenciais, que contém o nome de usuário e a senha da conta F5 BIG-IP. Por exemplo:

loadBalancer:
  f5BigIP:
    fileRef:
      entry: "f5-creds"

loadBalancer.f5BigIP.partition

String. O nome de uma partição BIG-IP que você criou para o cluster de administrador. Exemplo:

loadBalancer:
  f5BigIP:
    partition: "my-f5-admin-partition"

loadBalancer.f5BigIP.snatPoolName

String. Se você estiver usando SNAT, o nome do pool de SNAT. Se você não estiver usando o SNAT, remova esse campo. Por exemplo:

loadBalancer:
  f5BigIP:
    snatPoolName: "my-snat-pool"

loadBalancer.seesaw

Se você definir loadbalancer.kind como "Seesaw", preencha esta seção. Caso contrário, remova esta seção.

loadBalancer.seesaw.ipBlockFilePath

String. Defina como o caminho do arquivo hostconfig das VMs do Seesaw. Por exemplo:

loadBalancer:
  seesaw:
    ipBlockFilePath: "admin-seesaw-hostconfig.yaml"

loadBalancer.seesaw.vird

Integer. O identificador do roteador virtual da VM do Seesaw. Esse identificador precisa ser exclusivo em uma VLAN. O intervalo válido é de 1 a 255. Exemplo:

loadBalancer:
  seesaw:
    vrid: 125

loadBalancer.seesaw.masterIP

String. O VIP do par de VM ou VM Seesaw. Exemplo:

loadBalancer:
  seesaw:
    masterIP: 172.16.20.21

loadBalancer.seesaw.cpus

Número inteiro. O número de CPUs da VM do Seesaw. Exemplo:

loadBalancer:
  seesaw:
    cpus: 8

loadBalancer.seesaw.memoryMB

Número inteiro. O número de megabytes de memória da VM do Seesaw. Exemplo:

loadBalancer:
  seesaw:
    memoryMB: 8192

loadBalancer.seesaw.vCenter.networkName

String. O nome da rede que contém as VMs do Seesaw. Exemplo:

loadBalancer:
  seesaw:
    vCenter:
      networkName: "my-seesaw-network"

loadBalancer.seesaw.enableHA

Booleano. Defina como true, se quiser criar um balanceador de carga Seesaw altamente disponível. Caso contrário, defina como false. Por exemplo:

loadBalancer:
  seesaw:
    enableHA: true

antiAffinityGroups.enabled

Booleano. Defina como true para ativar a criação de regras do DRS. Caso contrário, defina-o como false. Por exemplo:

antiAffinityGroups:
  enabled true

O GKE On-Prem cria automaticamente as regras de antiafinidade do Programador de recursos distribuídos (DRS, na sigla em inglês) para os nós do cluster de administrador, fazendo com que elas sejam distribuídas por pelo menos três hosts físicos no seu data center.

Esse recurso exige que o ambiente vSphere atenda às condições a seguir:

  • O VMware DRS está ativado. O VMware DRS requer a edição de licença do vSphere Enterprise Plus.

  • Sua conta de usuário do vSphere tem o privilégio Host.Inventory.Modify cluster (em inglês).

  • Há pelo menos três hosts físicos disponíveis.

Lembre-se de que, se você tiver uma licença padrão do vSphere, não será possível ativar o VMware DRS.

Se a DRS não estiver ativada ou se você não tiver pelo menos três hosts em que as VMs do vSphere podem ser programadas, defina antiAffinityGroups.enabled como false.

proxy

Se a rede estiver protegida por um servidor proxy, preencha esta seção. Caso contrário, remova esta seção.

proxy.url

String. O endereço HTTP do servidor proxy. Inclua o número da porta mesmo que ele seja igual à porta padrão do esquema. Exemplo:

proxy:
  url: "http://my-proxy.example.local:80"

O servidor proxy especificado aqui é usado pelos clusters do GKE On-Prem. Além disso, a estação de trabalho de administrador será configurada automaticamente para usar esse mesmo servidor proxy, a menos que você defina a variável de ambiente HTTPS_PROXY na estação de trabalho do administrador.

Se você especificar proxy.url, também precisará especificar proxy.noProxy.

proxy.noProxy

String. Uma lista separada por vírgulas de endereços IP, intervalos de endereços IP, nomes de host e nomes de domínio que não podem passar pelo servidor proxy. Quando o GKE On-Prem envia uma solicitação para um desses endereços, hosts ou domínios, a solicitação é enviada diretamente. Exemplo:

proxy:
  noProxy: "10.151.222.0/24, my-host.example.local,10.151.2.1"

privateRegistry

Se você tiver um registro particular do Docker, preencha esta seção. Caso contrário, remova esta seção.

privateRegistry.address

String. O endereço IP da máquina que executa o registro particular do Docker. Por exemplo:

privateRegistry:
  address: "203.0.113.10"

privateRegistry.credentials.fileRef.path

String. O caminho de um arquivo de configuração de credenciais que contém o nome de usuário e a senha de uma conta que o GKE On-Prem pode usar para acessar seu registro particular do Docker. Por exemplo:

privateRegistry:
  credentials:
    fileRef:
      path: "my-config-folder/admin-creds.yaml"

privateRegistry.credentials.fileRef.entry

String. O nome do bloco de credenciais, no arquivo de configuração de credenciais, que contém o nome de usuário e a senha da conta de registro particular do Docker.

privateRegistry:
  credentials:
    fileRef:
      entry: "private-registry-creds"

privateRegistry.caCertPath

String. Quando o Docker extrai uma imagem do seu registro particular, o registro precisa comprovar a própria identidade apresentando um certificado. O certificado do registro é assinado por uma autoridade de certificação (CA). O Docker usa o certificado da CA para validar o certificado do registro.

Defina este campo como o caminho do certificado da CA. Exemplo:

privateRegistry:
  caCertPath: "my-cert-folder/registry-ca.crt"

gcrKeyPath

String. O caminho do arquivo de chave JSON para a conta de serviço que você quer usar para fazer o download dos componentes do GKE On-Prem. Por exemplo:

gcrKeyPath: "my-key-folder/access-key.json"

stackdriver

Esta seção contém informações sobre o projeto e a conta de serviço que você quer usar para armazenar registros e métricas.

stackdriver.projectID

String. O ID do projeto do Google Cloud em que você quer ver os registros. Exemplo:

stackdriver:
  projectID: "my-logs-project"

stackdriver.clusterLocation

String. A região do Google Cloud em que você quer armazenar os registros. É uma boa ideia escolher uma região próxima ao data center local. Exemplo:

stackdriver:
  clusterLocation: "us-central1"

stackdriver.enableVPC

Booleano. Se a rede do cluster for controlada por uma VPC, defina esse campo como true. Isso garante que toda a telemetria flua pelos endereços IP restritos do Google. Caso contrário, defina esse campo como false. Exemplo:

stackdriver:
  enableVPC: false

stackdriver.serviceAccountKeyPath

String. O caminho do arquivo de chave JSON da conta de serviço de monitoramento de registros. Exemplo:

stackdriver:
  serviceAccountKeyPath: "my-key-folder/log-mon-key.json"

cloudAuditLogging

Se você quiser integrar os registros de auditoria do servidor da API Kubernetes do cluster com os registros de auditoria do Cloud, preencha essa seção. Caso contrário, remova esta seção.

cloudAuditLogging.projectid

String. O ID do projeto do Google Cloud em que você quer ver os registros de auditoria. Exemplo:

cloudAuditLogging:
  projectid: "my-audit-project"

cloudAuditLogging.clusterlocation

String. A região do Google Cloud em que você quer armazenar registros de auditoria. É uma boa ideia escolher uma região próxima ao data center local. Exemplo:

cloudAuditLogging:
  clusterlocation: "us-central1"

cloudAuditLogging.serviceaccountkeypath

String. O caminho do arquivo de chave JSON da conta de serviço de geração de registros de auditoria. Por exemplo:

cloudAuditLogging:
  serviceaccountkeypath: "my-key-folder/audit-log-key.json"

autoRepair.enabled

Booleano. Defina como true para ativar o reparo automático de nós. Caso contrário, defina como false. Por exemplo:

autoRepair:
  enabled: true